Teônia Soares

Quem ama, tem olhar diferenciado. Teônia  Soares

Textos

Porquê...
Quando os medos querem tomar o rumo da minha vida,
Entra em cena a tristeza,
As lágrimas,
A apatia,
Ao mesmo tempo,
Entra em cena uma mulher que conheço há muito tempo,
Que quando penso estar adormecida,
Eis que surge,
Sempre forte,
Pronta para a batalha,
Enquanto a outra,
Quase morta,
Mal tem força para abrir os olhos  para ao menos dá boas vindas,
E entre mulher e menina,
As guerras são sempre as  mesmas,
Muito parecidas,
Entre fraca, abatida,
Surge uma quase louca, decidida,
Superando a si,
A mente forte como Rocha, ao mesmo tempo entorpecida,
Solta o brado entre a loucura e a sanidade,
Não aceita mais o inaceitável,
As dores tantas, sem respostas,
As horas impostas de sofrimentos degradantes,
Horripilantes,
Há tanto de Vida,
Há tanto da não aceitação, que tenho medo até de fazer bobeira a qualquer hora, qualquer dia, em qualquer estação,
E não venham os santarrões arrotarem suas perfeições,
Sou humana,
Limitada,
Creio em DEUS,
Me quero sã,
Há limites para tudo,
Quero respirar provisão de cura,
Gritar meu NÃO a loucura,
Quero respirar e Viver,
Não viver em gemidos, em gritos insuportáveis, escondidos, abafados,para que eu mesma tenha que me aceitar,
Sempre a espera da mudança que demora,
Por hora,
Me agarro nessa mulher tão forte,
Que até penso que não sou eu,
Quando olho para trás,
Quase não acredito por onde já trilhei,
E cá estou,
Não importa se Viva, meio morta,
Não entrei ainda pela Porta da desistência,
Minha resistência não é desse mundo,
por isso supero,
E tanto espero,
Continuo nadando quase sem braços,
Andando, quase sem pernas,
Voando sem asas,
Sonhando, quase entregue a desesperança,
Sendo pequena, frágil, não quebrei,
Me segurei na Mão mais Poderosa, Potente que há,
É dEle que vem o ar que enche meu pulmão quando não encontro aqui no terreno o ar esperançoso que preciso, necessito para viver,
É dEle, a razão em manter os olhos abertos quando quero adormecer,
Quando quero dormir para sempre, e esquecer,
Me sinto muitas vezes num matagal, sem as armas precisas para a tudo resistir,
Mas resistir a que? Armas para que? Esperança ou desesperança adianta em que?
Se essa mulher quando surge, é que ela está cheia de Ti, meu DEUS, e quem luta já não é ela,
Aí, meio que entendo, todos os "porquês"...

Teônia Soares
Enviado por Teônia Soares em 01/12/2018
Alterado em 07/12/2018
Copyright © 2018. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras